Impossível adivinhar as surpresas que vamos encontrar no caminho…

Impossível adivinhar as surpresas que vamos encontrar no caminho. Tantas aves raras nos brindando com sua beleza e generosidade. Se puder de imediato dar um concelho à quem lê essas palavras se uma dessas aves grudar em você não questione, apenas siga-a!
Certa vez aconteceu comigo. A pequena ave envolveu meus braços com seu grande bico. Ela tinha cerca de 50cm, penas brancas e soltava esporadicamente tímidos grunhidos. Me alertaram que era um ser perigoso e que precisava tomar muito cuidado para não perder meu braço. Me desesperei, deveras! Conforme o tempo passava e eu clamava por socorro mais o ser pressionava meu braço com seu grande bico.
Alguém pode me ajudar? Quem é o dono dessa ave? Quase exausto por ajuda finalmente me indicaram a direção. O caminho não era fácil. Uma selva repleta de animais ferozes pode ser muito devastadora quando se está com medo de prosseguir. Mas eu não tinha escolha!
Resolvi enfrentar os perigos e naquele momento subitamente eu e aquela ave estávamos juntos naquela jornada. Enquanto enfrentávamos juntos os perigos da floresta nossa confiança aumentava até que nosso companheirismo era tudo com que podíamos contar.
Conforme o caminho ficava mais difícil o impossível era transposto estabelecendo um novo nível de dificuldade. Quando nada mais nos restava para lutar e a derrota dava seus traços um milagre aconteceu! Juntos podíamos voar!
E assim o fizemos! Voamos por vales, planícies, céus e mares . Experimentamos juntos a liberdade que nem sabíamos que possuíamos.
O coração me aperta e a boca seca de saudade! Era hora de voltar.
Sua dona o esperava impacientemente na porta da sua casa simples. Era o amor de uma vida inteira que se interrompia naquele momento. Era como se todos fossem da família. Uma despedida dolorosa, mas repleta de amor, compaixão e respeito.
E assim deixei meu amigo para trás, de volta a seu lugar comum me olhando com seus olhos imóveis. Eu o amava e precisava deixá-lo. Nada levei comigo, toda luta parecia em vão naquele momento. O sentimento de derrota tomava meu corpo e as lágrimas não davam sinal de cessar.
Mal podia imaginar o quanto aquele lar se comovia com aquela cena. Poucos metros andei e senti como uma picada na minha nuca. Um toque sutil, mas poderoso que cravaria por toda a eternidade em meu ser a emoção que tomava conta daquele momento. Compaixão e amor vindos daquele lar jorravam em mim e me marcava para sempre.
Até hoje essa marca grita em mim e estabelece meu ser em um nível que não consigo explicar. Sonho e razão se confundem nessa história, mas a marca profundamente enraizada nos primórdios de seus sentimentos é real!
Agradeço àquela pequena ave que um dia me escolheu. Agradeço a todas as aventuras que passamos juntos. Agradeço ao amor e compaixão que apreendi em seus olhos e agradeço àquela família que pelo seu toque me permitiu jamais esquecer que certo dia uma ave me ensinou tudo sobre o amor.
Não tive outra opção senão seguir em frente….

ave

Nosso poder nos fez acreditar que juntos poderíamos ser só. A natureza voltou-se contra nós e uma grande inundacão afogou nossos sonhos. Por meses observei a água com medo de me afogar, a um passo de cair! Você zombava na cara do dilúvio e na cara do meu medo. Depois de dias, a água já havia secado e seu poder cessado. Nenhuma forma remota de vida era viva o suficiente para nos ajudar. As circunstâncias nos fizeram bixos.
Até que certo dia chorei às estrelas e roguei ajuda ao poder que se revoltara em água. Eis que a ajuda veio correndo do vasto pasto que havia em nossa frente. Um cão nos mostrava o caminho e mesmo sem saber pra onde me levaria, ele era minha única esperança. Conforme adquiríamos sua confianca, ele nos guiava a encontros e reencontros familiares. E já não me importava sua companhia, a confiança era minha e já não fazia diferença você, pra eu voltar pra casa. Nem mesmo um lixo nojento poderia me impedir de continuar.
Era selva, éramos bixos, muito tempo havia se passado, minha força era minha e eu só queria voltar pra casa!

Você é novo na cidade
o que te trouxe aqui foi a vontade de voar.
Você é interessante e atraente,
poderia se interessar por qualquer um
pois todos estão interessados em você.
Mas você gostou de mim
porque sou um caçador de aves.
Posso te fazer voar!
Te trago a ave mais rara,
sei como fazer ela vir.
Estou chamando ela agora e ela vem…
Nem asas tem,
mas sabe voar.
Grande e encantadora,
ela vem!

Imagem

Hoje o único peso que carrego é o de em alguns momentos da jornada não ter dito o que sentia. A única coisa que me reprime é ter me deixado dominar pelas circunstâncias e não ter sido totalmente sincero comigo mesmo.
Como não é possível voltar no tempo, hoje meu único objetivo é falar sempre o que penso e a cada momento dar vazão aos meus conflitos e angústias com humildade e bom humor! A demanda é grande e o que me mantém vivo é estar sempre atento a qualquer movimento da selva pra não deixar nada passar despercebido.
Não temos controle sobre tudo. Nunca vamos agradar a todos. E isso é ótimo!
O sentido da vida é para frente e enquanto os ferimentos da última batalha são curados, seus conflitos devem ficar somente registrados no livro da memória.
Não é preciso voltar pra ler novamente a página anterior, mas que ela seja lida e decorada até que se vire a próxima página!
Mantenho a consciência de que não é necessário acumular mais do que é preciso.
Temos que ser LIVRE pra ser TUDO que somos!

Imagem

O caminho é sempre cheio de surpresas e o medo pode ser cruel ao nos impedir de dobrar uma esquina ou simplesmente passar pro próximo quarteirão.
Por isso ele não deve existir!
E afinal de contas? Eu já conheço bem o caminho!
Não poderia me deparar com nada além de relações paternais de autoridade que tendem a submissão.
Quando o medo não existe, cada esquina faz ressurgir um caráter dominante mais forte e crescente.
E apesar do sadomasoquismo em às vezes querer dar uns passos atrás, sinto que não é em vão acreditar que alguém cuida de mim.
Mas é racional saber que sei me virar sozinho!
Depois de encaixotar tudo, algumas caixas devem ir pro lixo.
Preciso de espaço pro Novo!

Estive por aí…

Estou por aqui novamente com o rabo entre as pernas.
Será que enquanto estive por aí duvidei que toda a inquietação viraria palavras?
Relendo os textos desse blog é como se olhasse pra um espelho refletindo cada um que fui e o todo que sou.
Vejo a saudade de um céu do passado, os dias passando, a paciência que um dia me coube, histórias que dariam um filme, amigos de mais de anos, sorrisos inocentes, o frio, fantasmas e indagações de um ‘vinte e poucos’, descrições sem censura, objetos que encontrei no caminho, caminhos que jurei ter encontrado, chaves que perdi
Lembrei por quantas vezes e por quantos motivos voltei até aqui pra reconhecer o caminho de volta.
As esquinas são muitas, a cidade é grande e a viagem está apenas começando!